News

Menina engole bateria por acidente e desespera mãe

Menina ficou 'chupando' bateria, como bala, até que engoliu objeto. Assim que descobriu, mãe correu para o pronto-socorro.

Uma menina de sete anos engoliu uma bateria enquanto brincava sozinha em seu quarto em Guarujá, no litoral de São Paulo. Até o momento, o objeto não causou danos internos ao corpo da criança e foi expelido naturalmente.

Em contato com o G1 na manhã desta sexta-feira (21), Flavia Santos, de 30 anos, mãe de Júlia, conta que a filha estava brincando no quarto dela quando a bateria soltou de uma lanterna. “Ela me disse que estava sentada, rodeada de brinquedos, entre eles uma lanterna. A bateria caiu do brinquedo, ela achou e decidiu ‘chupar’, como se fosse bala”, relatou.

Por volta das 16h desta quarta-feira (19), a menina acabou engolindo a bateria e decidiu contar para a mãe. “Ela veio toda calma e disse: ‘mãe, acho que engoli a bateria’. Eu perguntei se ela achava ou se tinha certeza e, quando ela confirmou, fiquei desesperada. Saí correndo com ela.”

Flávia levou a filha para uma Unidade de Pronto Atendimento em Guarujá e, no caminho, foi pesquisando na internet o que poderia fazer para ajudar. “Vi que não podia tomar nem água. Também não tentei fazê-la vomitar. Eu não fazia ideia do que fazer, preferi correr para o pronto-socorro”, disse. A menina foi atendida na UPA e encaminhada para o Hospital Santo Amaro, para receber uma endoscopia.

A menina fez pelo menos quatro exames de raio-x para acompanhar o trajeto da bateria no sistema digestivo. “A médica me disse que a parte boa é que a bateria não está parada no corpo dela, está seguindo o caminho e deve ser expelida logo”, diz a mãe.

Apesar do susto, a criança passa bem. “No início, ela ficou assustada por conta da minha reação. Mas logo me acalmei e consegui passar tranquilidade para ela”, conta. Após o tratamento, o objeto foi expelido naturalmente.

O que fazer?

Apesar da ação rápida da mãe em socorrer a filha, os procedimentos médicos demoraram e permitiram que a bateria avançasse no sistema digestivo da criança, mesmo que nada pior tenha acontecido. O pediatra Ruy Pupo Filho diz que o tempo é crucial nesses casos. “Há risco da bateria romper, teria que esgotar as possibilidades de retirada, mas há duas dicas simples que podem proteger a bateria que está no intestino dela”, conta.

A primeira dica, de acordo com o especialista, é tomar mel. “Ele envolve e protege a bateria. Dar uma boa colherada de mel e levar ao hospital imediatamente. Outra dica é comer alimentos com bastante fibra, como aspargos”, diz o especialista, que explica que as fibras envolvem o corpo estranho.

O especialista completa que é preciso ensinar a criança o perigo que a ingestão de objetos traz riscos à saúde. “O mais importante é a prevenção, não deixar este tipo de objeto ao alcance de crianças e ensiná-las do perigo que esses objetos trazem”, conclui.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar