Coronavírus é encontrado em sêmen de infectados

Uma pesquisa chinesa constatou a presença de coronavírus no sêmen de infectados pela Covid-19. A descoberta levanta a possibilidade de que o vírus possa ser sexualmente transmissível, segundo declararam os cientistas responsáveis pelo estudo.

Uma equipe do Hospital Municipal de Shangqiu, na província de Henan, testou 38 pacientes do sexo masculino atendidos no auge da pandemia na China, entre janeiro e fevereiro – todos eles positivos para a Covid-19.

Em 16% deles, foi detectada a presença de coronavírus no sêmen, segundo a equipe informou em artigo na revista Jama Network Open. Quando o material foi colhido, um quarto deles estava em estágio agudo de infecção e quase 9% já estavam se recuperando da doença.

“Descobrimos que o SARS-CoV-2 pode estar presente no sêmen de pacientes com Covid-19 e ainda pode ser detectado mesmo quando eles estão em recuperação”, disse o cientista Diangeng Li.

“Mesmo que o vírus não possa se replicar no sistema reprodutor masculino, ele pode persistir, possivelmente por conta da imunidade privilegiada dos testículos”, acrescentou a equipe.

Essa “imunidade privilegiada” significa que o sistema imunológico não pode alcançar completamente a região para atacar invasores virais.

A descoberta não é surpreendente. Muitos vírus podem viver no trato reprodutivo masculino. Já foi comprovado que o vírus Ebola e o zika permanecem no sêmen, algumas vezes meses após a recuperação de um paciente do sexo masculino.

Ainda não está claro, porém, se o coronavírus pode se espalhar dessa maneira. Encontrar evidências de vírus não significa necessariamente que exista rico de infecção. 

“Se for possível provar que o SARS-CoV-2 pode ser transmitido sexualmente em estudos futuros, a transmissão sexual pode ser uma parte crítica da prevenção da transmissão”, escreveu a equipe. “A abstinência ou o uso de preservativo pode ser considerado um meio preventivo para esses pacientes”, acrescentou o etudo.

Os pesquisadores ressaltaram, ainda, que “são necessários estudos para monitorar o desenvolvimento fetal. Portanto, evitar o contato com a saliva e o sangue do paciente pode não ser suficiente, pois a sobrevivência da SARS-CoV-2 no sêmen de um paciente em recuperação mantém a probabilidade de infectar outras pessoas”.

Fonte CNN Brasil

Get in Touch

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Related Articles

Quarentenas funcionam para combater o coronavírus? Veja o que dizem os estudos

Quarentenas são adotadas pelo menos desde o século 14 como forma de evitar o espalhamento de doenças infecciosas.

Falta de olfato, AVC, epilepsia: novos sintomas ligados à covid-19

A elevada prevalência de sintomas neurológicos em pacientes acometidos pelo coronavírus na China levou pesquisadores da USP e da Universidade da Região...

Bahia tem 709 novos casos e passa de 18,3 mil registros de Covid-19

A Bahia registrou 766 novos casos de pacientes infectados pelo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de...

Get in Touch

19,745FansLike
2,187FollowersFollow
14,000SubscribersSubscribe

Latest Posts

Quarentenas funcionam para combater o coronavírus? Veja o que dizem os estudos

Quarentenas são adotadas pelo menos desde o século 14 como forma de evitar o espalhamento de doenças infecciosas.

Falta de olfato, AVC, epilepsia: novos sintomas ligados à covid-19

A elevada prevalência de sintomas neurológicos em pacientes acometidos pelo coronavírus na China levou pesquisadores da USP e da Universidade da Região...

Bahia tem 709 novos casos e passa de 18,3 mil registros de Covid-19

A Bahia registrou 766 novos casos de pacientes infectados pelo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de...

Com 824 óbitos em 24h, Brasil fica perto dos 15 mil mortos por coronavírus

O Brasil é o sexto país em óbitos pelo vírus: até esta sexta-feira contabilizava 14.917 mortos, com mais 824 óbitos confirmados nas...

Vacina para Covid ainda nem saiu e já causa disputa entre países

França critica empresa farmacêutica que afirmou que vai priorizar distribuição nos EUA, e na Alemanha. Grupos antivacina já se mobilizam contra a prevenção.