Coronavírus deve infectar até 70% do planeta, diz pesquisador

O chefe do Departamento de Epidemiologia da Universidade Harvard, Marc Lipsitch, estima que o novo coronavírus veio para ficar por 1 bom tempo. Deve infectar, ao longo de 1 ano, de 40% a 70% da população mundial. Ele analisa que a Covid-19 (doença respiratória causada pelo novo coronavírus) tem uma taxa de mortalidade na faixa de 2% e se espalha rapidamente por ter sintomas leves ou mesmo ser assintomática. Com base nisso, ele acredita que ela pode se tornar uma doença sazonal.

Marc Lipsitch falou em entrevista à revista norte-americana The Atlantic. O pesquisador diz que o coronavírus, assim como a gripe –que geralmente ameaça a vida de pessoas com problemas de saúde crônicos e com idade avançada–, na maioria dos casos infecta pessoas de forma despercebida. No geral, 14% das pessoas com gripe não apresentam sintomas. Ainda não se sabe esse percentual na Covid-19, mas deve ser no mesmo patamar, segundo o epidemiologista.

Os coronavírus são conhecidos desde meados da década de 1960 e geralmente circulam apenas entre animais. São semelhantes aos vírus influenza, pois ambos contêm código genéticos parecidos.

Cientistas afirmam que os coronavírus evoluíram dos seres humanos para maximizar sua própria disseminação. Dois surtos anteriores do vírus  –o Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e o Mers (Síndrome Respiratória do Oriente Médio)– foram altamente fatais para os seres humanos, com taxa de mortalidade de 10% e 34%, respectivamente.

Apesar da menor taxa de mortalidade, a Covid-19 até agora resultou em mais mortes (2.942) do que Sars e Mers combinadas (1.632). Isso ocorre porque, diferentemente das versões de coronavírus que provocaram surtos anteriores, a Covid-19 muitas vezes não é percebida por não apresentar sintomas, o que faz com que muitos dos infectados não busquem tratamento a tempo.

Os vírus da gripe, mais “leves“, matam menos de 0,1% das pessoas infectadas, mas são responsáveis ​​por centenas de milhares de mortes todos os anos.

Passados 2 meses do surto do novo coronavírus, ao menos 85.995 pessoas foram infectadas em 61 países. A maioria dos registros de infectados e mortos foram na China, epicentro do patógeno. No Brasil, 2 casos foram confirmados.

Fonte Poder360

Get in Touch

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Related Articles

Quarentenas funcionam para combater o coronavírus? Veja o que dizem os estudos

Quarentenas são adotadas pelo menos desde o século 14 como forma de evitar o espalhamento de doenças infecciosas.

Falta de olfato, AVC, epilepsia: novos sintomas ligados à covid-19

A elevada prevalência de sintomas neurológicos em pacientes acometidos pelo coronavírus na China levou pesquisadores da USP e da Universidade da Região...

Bahia tem 709 novos casos e passa de 18,3 mil registros de Covid-19

A Bahia registrou 766 novos casos de pacientes infectados pelo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de...

Get in Touch

19,745FansLike
2,187FollowersFollow
14,000SubscribersSubscribe

Latest Posts

Quarentenas funcionam para combater o coronavírus? Veja o que dizem os estudos

Quarentenas são adotadas pelo menos desde o século 14 como forma de evitar o espalhamento de doenças infecciosas.

Falta de olfato, AVC, epilepsia: novos sintomas ligados à covid-19

A elevada prevalência de sintomas neurológicos em pacientes acometidos pelo coronavírus na China levou pesquisadores da USP e da Universidade da Região...

Bahia tem 709 novos casos e passa de 18,3 mil registros de Covid-19

A Bahia registrou 766 novos casos de pacientes infectados pelo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de...

Com 824 óbitos em 24h, Brasil fica perto dos 15 mil mortos por coronavírus

O Brasil é o sexto país em óbitos pelo vírus: até esta sexta-feira contabilizava 14.917 mortos, com mais 824 óbitos confirmados nas...

Vacina para Covid ainda nem saiu e já causa disputa entre países

França critica empresa farmacêutica que afirmou que vai priorizar distribuição nos EUA, e na Alemanha. Grupos antivacina já se mobilizam contra a prevenção.