Em época de pandemia muito cuidado com consumo de embutidos

Com coronavírus e recomendações de isolamento social, alimentos prontos, baratos e com grande prazo de validade viram o centro das atenções nos mercados. Não é à toa que os embutidos tendem a lotar os cestos e carrinhos por aí.

Antes que alguém pense que eles são uma invenção moderna, já se vão mais de 4 mil anos que o homem usa métodos como a salga e a secagem para preservar e comer a carne do dia a dia. A inspiração para a receita teria vindo da observação de animais mortos que demoravam a apodrecer nas áreas próximas ao mar — a mistura da salmoura com o calor do sol estancava o crescimento de micro-organismos.

Com o tempo, outros processos e substâncias foram incorporados. “Se antes o presunto era basicamente o pernil do porco temperado com sal, hoje a lista de ingredientes costuma ser extensa”, diz o nutricionista Fábio Gomes, da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

O acréscimo de tantos aditivos está associado a cada vez mais estudos ligando o consumo das chamadas carnes processadas a problemas de saúde. Após revisar as evidências disponíveis, cientistas da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc, na sigla em inglês) colocaram os embutidos junto do tabaco e do amianto na classificação de agentes cancerígenos.

“O relatório mostra que o consumo diário de 50 gramas de carne processada aumenta o risco de câncer colorretal em 18%”, destaca a nutricionista Bruna Pitasi Arguelhes, do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

Achados como esse estão por trás de uma orientação dada por muitos profissionais de saúde: deixar, se possível, linguiça, salsicha, frios, nuggets e hambúrgueres prontos fora da rotina. “Não há recomendação segura para a ingestão”, afirma Bruna. O conselho é saborear só em festas, passeios ou experiências gastronômicas.

Mas e em tempos de confinamento? Para quem não conseguir evitar, a nutricionista Vanderli Marchiori, consultora da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), sugere: “Melhor optar por aqueles que carregam menos gordura e mais proteína. E nada de exagerar”. Tudo isso dentro de um contexto equilibrado: com frutas, verduras, cereais… Não é um pedaço de linguiça no feijão que vai botar tudo a perder.

Fonte: Saúde é Vital

Get in Touch

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Related Articles

Quarentenas funcionam para combater o coronavírus? Veja o que dizem os estudos

Quarentenas são adotadas pelo menos desde o século 14 como forma de evitar o espalhamento de doenças infecciosas.

Falta de olfato, AVC, epilepsia: novos sintomas ligados à covid-19

A elevada prevalência de sintomas neurológicos em pacientes acometidos pelo coronavírus na China levou pesquisadores da USP e da Universidade da Região...

Bahia tem 709 novos casos e passa de 18,3 mil registros de Covid-19

A Bahia registrou 766 novos casos de pacientes infectados pelo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de...

Get in Touch

19,745FansLike
2,187FollowersFollow
14,000SubscribersSubscribe

Latest Posts

Quarentenas funcionam para combater o coronavírus? Veja o que dizem os estudos

Quarentenas são adotadas pelo menos desde o século 14 como forma de evitar o espalhamento de doenças infecciosas.

Falta de olfato, AVC, epilepsia: novos sintomas ligados à covid-19

A elevada prevalência de sintomas neurológicos em pacientes acometidos pelo coronavírus na China levou pesquisadores da USP e da Universidade da Região...

Bahia tem 709 novos casos e passa de 18,3 mil registros de Covid-19

A Bahia registrou 766 novos casos de pacientes infectados pelo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de...

Com 824 óbitos em 24h, Brasil fica perto dos 15 mil mortos por coronavírus

O Brasil é o sexto país em óbitos pelo vírus: até esta sexta-feira contabilizava 14.917 mortos, com mais 824 óbitos confirmados nas...

Vacina para Covid ainda nem saiu e já causa disputa entre países

França critica empresa farmacêutica que afirmou que vai priorizar distribuição nos EUA, e na Alemanha. Grupos antivacina já se mobilizam contra a prevenção.