Uma sala de aula onde os alunos são todos — e somente — homens. Brancos, negros, jovens, idosos, de todas as classes sociais, eles formam um grupo heterogêneo e cheio de diferenças, mas carregam consigo uma característica em comum: todos estão ali por terem cometido crimes de violência contra a mulher.

O caso de João* aconteceu no último dia 25 de dezembro, no Natal. Uma discussão com a mulher por uma foto apagada de um celular motivou uma briga que fugiu do controle. Entre xingamentos e insultos, ele a empurrou na cama, deu tapas e quebrou o espelho, até ela gritar por socorro e o filho chamar a polícia.

Aos 27 anos, Pedro* nunca teve um perfil violento, segundo a mulher, mas um dia também a agrediu por ciúme – uma raiva que não conseguiu conter no momento, como ele diz.

Já separados, os dois viviam na mesma casa por causa dos filhos, e quando ela chegou mais tarde do trabalho um dia ele resolveu tirar satisfação. Foi de “vagabunda’ para baixo, com outros xingamentos que ele mesmo descreve como “impublicáveis” – mas não parou por aí.

“Com essa mão aqui eu dei três tapas na orelha dela que fizeram sangrar. Dei chute no útero, acho que no joelho também. Agredi, sim, não vou mentir”, disse. Tudo isso na frente dos filhos de quatro anos e dois anos.

Rubens* partiu para cima da filha. Com 60 anos de idade — e um corpo todo de fisiculturista de vidrado em academia —, ele teve seus desentendimentos com a jovem de 18 anos.

“Eu a repreendia, controlava muito horário dela sair e chegar”, conta. Um dia, avançou para a agressão e, quando a mãe, que sofre de câncer e está em tratamento, entrou na frente para defender a menina, acabou apanhando também. As duas o denunciaram.

Esses três homens agora estão sendo processados com base na lei Maria da Penha e viraram colegas de sala no curso “Tempo de Despertar”, promovido pelo Ministério Público de São Paulo com o objetivo de reduzir a reincidência de casos de violência contra a mulher.

“É uma forma de prevenir a violência contra a mulher. Percebi que os casos de reincidência de violência doméstica eram muito altos, em torno de 65%. Buscando projetos internacionais de sucesso, consegui achar dois que trabalhavam com o homem, com a desconstrução do machismo, da masculinidade”, explicou à reportagem a promotora e criadora do curso, Gabriela Manssur.

“A pessoa mais beneficiada com esse curso é a mulher. Nas três edições (do curso) que fizemos, tivemos somente um homem que voltou a cometer violência. Ou seja, reduzimos a reincidência para praticamente zero. Portanto, se temos 17 homens aqui, vamos ter menos 17 casos casos de violência contra a mulher no Ministério Público ano que vem”, afirmou.

“O que é melhor: não é só o processo, dentro do processo tem uma vida, uma família que sofre, uma vítima que sofre. Então são menos 17 vítimas sofrendo de violência contra a mulher.”

O curso é composto por oito aulas que, em geral, são realizadas a cada duas semanas. Aborda temas relacionados a gênero, direitos das mulheres, lei Maria da Penha, masculinidade, sexualidade e DSTs (doenças sexualmente transmissíveis), álcool e drogas, paternidade e afetividade, entre outros.

Participam da iniciativa homens denunciados por violência doméstica e sob investigação, cumprindo medida protetiva e/ou aguardando julgamento. O comparecimento é obrigatório e pode reduzir eventuais penas em caso de condenação.

Reflexões

Além das palestras, os homens são reunidos em grupos de reflexão onde debatem como podem melhorar suas atitudes. Em uma das conversas, sobre autocontrole, a reportagem acompanhou o momento em que a conversa passou a tratar das “roupas que as mulheres vestem”.

“Minha mulher pode vestir o que quiser. Eu só aviso para ela: ‘Você quer sair assim? Você sabe como os homens vão olhar’. Mas eu respeito a escolha dela”, disse um deles. O outro reclamou do batom escuro e vermelho que a esposa usava – semelhante ao da repórter diante dele. “Não gosto. Acho ridículo”, disse com veemência.

Sergio Barbosa, que monitorava o grupo, imediatamente tentava direcionar o pensamento deles de outra forma. “Mas qual é o problema do batom? E ela não pode usar?”

Um dos acusados também chegou a transparecer uma insatisfação por estar respondendo pelo crime. “No meu caso, foi só (violência) verbal, ela não precisava ter colocado na lei Maria da Penha”. Ao que Barbosa rebatia: “Mas agressão verbal também é violência. Quando alguém te xinga, te rebaixa, te humilha, você gosta? Como você se sente?”

“Nós damos um panorama sobre o que é esperado da mulher na sociedade, como são colocados os direitos das mulheres na Constituição formalmente e como é isso na prática, mostrando o quanto a mulher sofre pra ter os mesmos direitos que os homens”, explicou a promotora.

“Eu sempre pergunto: onde é o lugar da mulher? Eles respondem: onde ela quiser. A mulher pode trabalhar? Pode. Pode ser promotora? Pode. E eu sei que tem casos aqui que a mulher apanhou porque foi trabalhar ou foi estudar.”

Além de propor a reflexão sobre a questão de gênero, o curso também traz profissionais da Justiça, para tirar dúvidas dos acusados sobre as implicações da lei Maria da Penha, e profissionais da saúde para orientá-los sobre o vício em álcool e drogas – muitos sofrem desse problema – e sobre DSTs.

DEIXE UMA RESPOSTA