COMO DIFERENCIAR OS TIPOS DE DIABETES

0
54

Os principais tipos de diabetes mellitus são o Tipo 1 e o Tipo 2, que apresentam algumas diferenças, como em relação à sua causa, podendo ser auto-imune, como no caso do Tipo 1, ou associada a genética e hábitos de vida, como acontece no tipo 2.

Estes tipos de diabetes também podem variar de acordo com o tratamento, que pode ser feito com o uso de medicamentos por comprimido ou com aplicação de insulina.

Entretanto existem, ainda, outros variantes destes tipos de diabetes, que são o diabetes Gestacional, que surge em mulheres grávidas por influência das alterações hormonais deste período, o diabetes Latente Autoimune do Adulto, ou LADA, e o Maturity Onset Diabetes of the Young, ou MODY, que misturam caractarísticas do diabetes tipo 1 e 2.

1. Diabetes tipo 1

O diabetes tipo 1 é uma doença auto-imune, na qual o organismo ataca, de forma errada, as células do pâncreas, causando a destruição das células que produzem insulina. Assim, a falta de produção de insulina para o sangue faz com que haja um acúmulo de glicose na circulação, o que pode trazer malefícios para vários órgãos, como insuficiência renal, retinopatia ou cetoacidose diabética.

Esta doença pode não provocar sintomas, entretanto, em alguns casos pode surgir:

  • Vontade frequente para urinar;
  • Sede e fome excessivas;
  • Perda de peso sem causa aparente.

Este tipo de diabetes, geralmente, é diagnosticado na infância ou na adolescência, pois é quando acontece esta alteração da imunidade.

Normalmente, o tratamento para a diabetes tipo 1 é feito com injeções diárias de insulina, além de uma alimentação com pouco açúcar e baixa quantidade de carboidratos. Saiba como deve ser a alimentação e o que deve e não deve comer no diabetes.

Também é importante que os pacientes mantenham a prática regular de exercício físico, sob orientação de um educador, para ajudar a controlar os níveis de açúcar e manter um metabolismo regulado.

2. Diabetes tipo 2

O diabetes tipo 2 é o tipo mais comum de diabetes, sendo causado por fatores genéticos juntamente com maus hábitos de vida, como consumo exagerado de açúcar, gordura, sedentarismo, sobrepeso ou obesidade, que provocam defeitos na produção e na ação da insulina no corpo.

Geralmente, este tipo de diabetes é detectado em pessoas acima dos 40 anos, pois é desenvolvido ao longo do tempo e, nas fases iniciais não causa sintomas, provocando danos ao corpo de forma silenciosa. Entretanto, em casos graves e com falta de tratamento, pode causar os seguintes sintomas:

  • Sensação constante de sede;
  • Fome exagerada;
  • Vontade de urinar frequente;
  • Perda de peso sem causa aparente;
  • Dificuldade de cicatrização de feridas;
  • Visão turva.

Antes de se instalar o diabetes, normalmente, a pessoa já teve um período de glicose alta no sangue por vários meses ou anos, que é o pré-diabetes. Nesta fase, ainda é possível impedir o desenvolvimento do diabetes, com realização de atividades físicas e controle da dieta. Entenda como identificar e tratar o pré-diabetes, para impedir que se desenvolva o diabetes.

O tratamento da diabetes tipo 2 é feito com remédios para controlar a glicose no sangue, como metformina, glibenclamida ou gliclazida, por exemplo, prescritos pelo clínico geral ou endocrinologista. Mas, dependendo do estado de saúde do paciente ou da piora dos níveis de açúcar no sangue, pode ser necessário o uso diário da insulina.

Além dos medicamentos, uma alimentação controlada em açúcar, carboidrato e gorduras, além do exercício físico regular, são essenciais para o controle correto da doença e um envelhecimento com saúde e com menos medicamentos. Saiba mais como deve ser o tratamento e as consequência do diabetes tipo 2.

DEIXE UMA RESPOSTA