Ansiedade pode influenciar no envelhecimento

0
94

Um estudo da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, relacionou a ocorrência de distúrbios de ansiedade ao encurtamento dos telômeros – as extremidades do cromossomo, que servem como uma espécie de medida da idade biológica do organismo e vão encolhendo a medida que a idade avança.

A pesquisa revelou que pessoas ansiosas têm telômeros mais curtos do que as não ansiosas, ou seja, é como se fossem mais velhas. Quer preservar a juventude? Então pare de sofrer e se preocupar por antecipação – é isso que define o mal do século! – e encaixe mais atividades relaxantes e prazerosas no dia a dia.

Para chegar a essa conclusão, eles analisaram amostras de sangue de 5.243 mulheres com idade de 42 a 69 anos e comparam com respostas dadas pelas participantes em um questionário sobre ansiedade.

Aquelas que relataram sintomas de transtorno de ansiedade apresentavam envelhecimento celular precoce – era como se suas células tivessem envelhecido seis anos a mais do que o normal.

Essa descoberta foi feita através da avaliação de estruturas celulares chamadas telômeros, responsáveis por proteger os cromossomos (que armazenam nosso código genético). Conforme as células envelhecem, os telômeros se tornam mais curtos e os riscos de se desenvolver câncer, doenças vasculares, cardíacas e outras aumenta.

DEIXE UMA RESPOSTA