Se você não entende de onde vem sua compulsão por comer doce, preste atenção ao seu sono. A duração e a qualidade dele podem estar ligadas à sua alimentação, sabia? O alerta vem de um novo estudo da King’s College London, na Inglaterra, publicado no último dia 10 de janeiro no periódico científico American Journal of Clinical Nutrition.

Os cientistas ingleses investigaram o impacto de uma noite bem-dormida na ingestão de nutrientes. Participaram da pesquisa 42 homens e mulheres adultos que costumavam dormir entre cinco e sete horas.

Os voluntários foram divididos em dois grupos: uma parte recebeu orientações para aumentar em uma hora e meia o tempo de sono por noite; a outra manteve os mesmos hábitos do dia a dia. Durante uma semana, ambas as turmas fizeram diários de sua rotina alimentar. Além disso, um sensor avaliou o período em que permaneciam dormindo e quanto tempo ficavam na cama até cair no sono.

As conclusões mostraram que estender o descanso noturno reduziu em 10 gramas o consumo de açúcar e diminuiu o aporte total de carboidratos. “Isso indica que mudanças simples são capazes de ajudar as pessoas a comer de forma mais saudável”, analisa Wendy Hall, principal autor do artigo.

Wendy e sua equipe pretendem continuar a estudar o elo entre alimentação e noites de sono mais longas. Mas, de qualquer forma, essa é uma nova evidência de que dormir bem só traz benefícios para a saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA