CORDA NAVAL, COMO USAR EM SEU TREINO E ALGUNS CUIDADOS A SEREM TOMADOS

0
232

O treino com corda naval, ou rope training, é uma possibilidade muito interessante para uma série de objetivos. No geral, eles são usados para estímulos de ordem metabólica, pelo fato de ser um movimento na maioria das vezes, cíclico.

Em termos de hipertrofia, por exemplo, o treino com corda naval pode ser usado em determinados momentos, mas não é mais relevante. A essência de todos os movimentos é a mesma: movimentos cíclicos, combinados com estabilização de tronco (dinâmica ou estática), somados a movimentos amplos. Por isso, o treino com corda naval é tão efetivo para os estímulos metabólicos.

1- Sempre priorize a qualidade do movimento

Não importa o que você esteja fazendo, a qualidade do movimento é mais importante do que a carga e a intensidade no geral. No caso do treino em corda naval, isso não seria diferente.

Por ser um movimento cíclico, é fundamental que você inicie o treino com uma corda naval mais leve e com movimentos mais lentos.

Conforme você for adquirindo mais técnica, pode ir começando a usar uma corda naval mais pesada e aumentar aos poucos a velocidade.

Mas sempre, em todas as condições, preconize sempre a qualidade do movimento. Velocidade e carga, serão apenas algo que irá prejudicar, caso o movimento esteja incorreto ou descoordenado.

2- Use uma boa variação de movimentos

Como o treino com corda naval traz muitas possibilidades, é interessante usar uma boa variação de movimentos. O movimento mais comum são as ondas. Porém, é possível usar variações dela (unilateral, alternadas, conjuntas) e misturar com outros movimentos.

Além disso, há outras possibilidades de movimentos. Neste sentido, é interessante usar movimentos variados, que vão trazer mais unidades motoras e músculos diferentes para o movimento. Isso, vai trazer um maior gasto calórico e uma carga metabólica mais alta ao treinamento.

3- Faça uma correta progressão de carga e intensidade

Um erro muito comum no treino com corda naval é achar que já pode começar com intensidade e cargas altas. Mesmo que você já treine, faça musculação, é importante ter um bom trabalho de adaptação.

Não comece com uma velocidade muito alta ou com uma corda naval muito pesada. Faça uma progressão, vá aos poucos, melhorando a técnica de movimento. Isso será fundamental para melhorar a qualidade de seu treino e ter muito mais resultados.

4- Fortaleça o manguito rotador

Se mal feito, o treino com corda naval pode ser altamente lesivo. Por isso, além de tudo o que mostrei acima, relacionado a qualidade do movimento, é fundamental fortalecer os músculos estabilizadores.

O trabalho de manguito rotador é o mais importante neste caso. Fortalece-lo de forma correta, é muito importante para que a articulação do ombro tenha a estabilidade necessária. Caso contrário, é muito provável que você venha, em médio a longo prazo, a apresentar lesões.

5- Varie a forma como o treino é montado

Um dos erros mais comuns no treino com corda naval, é achar que ele precisa ser sempre da mesma forma. Ele pode tanto ser o único da sessão, com variações no movimento, como ele também pode ser usado como auxiliar. Por exemplo, você pode fazer musculação e no final, ao invés de fazer um HIIT na bike ou na esteira, pode fazer o mesmo na corda naval. É muito interessante fazer isso em um dia de treino de pernas, por exemplo.

Da mesma forma, o treino com corda naval pode ser usado em um circuito, como exercício ou como pausa ativa.

Ainda há a possibilidade de usar o treino com corda naval de forma mais lenta e com menos carga, de forma continua. Isso é muito usado em preparação física de natação, por exemplo.

As possibilidades de variações do treino com corda naval são muitas. Os resultados, podem ser alcançados de diferentes formas. Sempre lembrando que é fundamental ter o acompanhamento de um bom treinador.

DEIXE UMA RESPOSTA