Bem estar

“O cérebro tem doenças que afetam a alma, te destroem como indivíduo”

Cientista Juan Lerma alerta sobre as dificuldades para compreender o cérebro e os motivos pelos quais é difícil desenvolver remédios contra o Alzheimer

Os cientistas costumam ser vistos do lado de fora da associação como sábios com mentes capazes de resolver os problemas práticos mais complicados. Curar o câncer, acabar com os problemas cardíacos, resolver os problemas mentais. Juan Lerma (Moral de Calatrava, Ciudad Real, 1955) é um dos neurocientistas mais importantes da Espanha, um dos sábios que deveriam nos ajudar a consertar o cérebro e, entretanto, ele mesmo reconhece que após uma longa carreira somente no final começou a estudar os desequilíbrios moleculares que estão por trás de doenças como a epilepsia, o autismo e a síndrome de Down.

Lerma é professor de pesquisa no Instituto de Neurociências de Alicante (CSIC-UMH), uma instituição de referência no estudo do cérebro que dirigiu entre 2007 e 2016 e afirma que “provavelmente, é preciso fazer perguntas mais gerais antes de se chegar às particulares, ir da fisiologia à patologia e não ao contrário”. Significaria compreender primeiro o mecanismo para depois tentar resolvê-lo, mas não só isso.

O neurocientista Juan Lerma. Foto VÍCTOR SAINZ

Pergunta. Compreender o cérebro para curá-lo quando está com problemas é uma motivação para muitos neurocientistas, mas também é interessante entender como o cérebro funciona quando o faz corretamente.

Resposta. O cérebro tem doenças que são muito importantes porque afetam a alma, te destroem como indivíduo. Se pensamos no mal de Alzheimer: você perde sua memória, perde sua história, deixa de ser quem é. São gravíssimas e são muito prevalentes. Além disso, são doenças que não matam, têm um custo sanitário enorme porque a esquizofrenia, o autismo, a epilepsia… é preciso tratá-las a vida inteira. O custo social é até mesmo maior e o sofrimento familiar e do entorno é enorme. Isso é urgente e é uma demanda social, mas também o é entender como o cérebro funciona, como somos, por que nos comportamos de uma determinada maneira. Por que amamos? Por que odiamos? Como o fazemos? Pensar se isso pode ser modulado para sermos pessoas melhores, se a própria educação pode ser modulada para gerar cérebros melhores.

P. Contra o câncer e outras doenças se conseguiu desenvolver tratamentos sem a necessidade de entender exatamente como esses tratamentos agem. Isso é mais complicado em doenças do cérebro como o Alzheimer?

R. Há duas maneiras de atacar as doenças. A primeira é a serendipidade, em que você tem um fármaco, o testa e vê se alivia algum sintoma de alguma doença. Existem muitos exemplos. A aspirina não foi criada racionalmente, assim como a penicilina. Mas o problema do cérebro é que é muito mais complexo e suas doenças também.

No câncer, a guerra contra o câncer de Nixon, que começou nos anos setenta, não acabou com a doenças, mas após tantos anos de pesquisa a mortalidade diminuiu drasticamente. A sobrevivência no câncer de mama que antes era baixíssima agora ronda os 80% e isso é um sucesso da pesquisa científica e do conhecimento, da utilidade de conhecer os caminhos de sinalização das células e oncogenes quando se coloca ao trabalho do desenvolvimento de fármacos. Agora estamos começando a entender como se formam as metástases, quais são os mecanismos íntimos pelos quais as células são capazes de viajar e entrar em outros órgãos. Isso, sem dúvida, te dá conhecimento para poder modular esses sistemas.

No caso do cérebro, ao contrário de outros órgãos, estamos a anos-luz de ter esse conhecimento. Sabemos de muitas coisas, mas a neurociência é relativamente moderna. Cajal já postulou a existência das sinapses, mas ninguém as podia ver claramente antes dos anos cinquenta do século passado, quando o desenvolvimento do microscópio eletrônico o permitiu. O conceito dos neurotransmissores e seu isolamento têm 50 anos. Se soubermos quais são as substâncias que funcionam na transmissão neuronal, o que faz com que as células se comportem de determinada maneira e quais são as bases da comunicação entre neurônios, podemos intervir. Grande parte dos fármacos psicoativos que funcionam hoje o fazem a nível da sinapse. E o fazem porque nos últimos anos se criou esse modelo racional em que tentaram isolar substâncias que modulam, bloqueiam e potencializam alguns dos receptores dos quais se conhece sua estrutura molecular e a função a nível sináptico.

O valium, o diazepam, não foi fruto de um modelo racional. Foi descoberto fazendo eliminações de substâncias, mas se sabe onde age e como age. Ainda que existam outros, é um dos poucos ansiolíticos que funcionam, e não se sabe muito bem por quê. Quando você toma diazepam, o cérebro se empapa de forma que não tem funções e modulações específicas em estruturas que têm a ver com um determinado comportamento. Por isso os efeitos secundários.

Uma das vias de ação agora é determinar, por exemplo, quais são as zonas do cérebro e os circuitos ou os tipos de neurônios envolvidos numa doença em particular, seja ela depressão, ansiedade, algum sintoma de autismo ou qualquer outra, a fim de desenvolver fármacos que só atuem nessa parte para diminuir os efeitos colaterais.

Em última instância, o que acontece é que ainda conhecemos muito pouco, sobretudo a respeito do funcionamento global do cérebro. Conhecemos propriedades moleculares, a estrutura… Mas, quando você coloca neurônios para trabalhar juntos, surgem propriedades emergentes que você não pode prever, que são as que fazem com que o cérebro funcione como funciona, e tudo se complica. E é algo que não ocorre no fígado ou no coração.

P. Como reconstruir e compreender esses mecanismos emergentes?

R. Neste exato momento, há uma espécie de revolução com a inteligência artificial, que ajudará muito a entender o cérebro porque permitirá modelar as zonas cerebrais, entender como funcionam e ver quando determinados padrões são alterados. O avanço do conhecimento científico acontece de forma escalonada. Vai-se acumulando conhecimento e, de repente, chega um conhecimento a mais que permite completar o quebra-cabeças. Antes você não via nada, mas então coloca a peça e de repente vê o objeto que estava reconstruindo. E assim é gerado um salto qualitativo no conhecimento.

Em todas as ciências, esses saltos vêm acompanhados de avanços tecnológicos. Agora a Brain Initiative dos Estados Unidos tem como um de seus objetivos desenvolver tecnologias novas que permitam o estudo do cérebro. Lá ocorrem avanços que permitirão fazer integrações muito importantes.

P. Para muita gente, essa ideia de decompor os fatores que constituem a consciência humana ―e, de algum modo, compreendê-la e poder manipulá-la― pode parecer perigosa. Inclusive coloca em questão o livre arbítrio.

R. Essa é uma questão mais filosófica. Não sou filósofo, mas o livre arbítrio não existe, é uma falácia. Já discuti isso com filósofos, e muitos negam a não existência do livre arbítrio. Mas vou lhe dar um exemplo. Se você é viciado em nicotina e lhe ofereço um cigarro, você tem a liberdade de aceitar ou não. Mas se testamos isso 100 vezes, a liberdade não existe, porque você vai aceitar em 90% delas. Se fosse pelo livre arbítrio, você agiria sempre da mesma forma, ou pelo menos em 50% das vezes, se fosse aleatório, mas não, o arbítrio é marcado por sua experiência própria. E esta é marcada por sua educação, sua infância, seu entorno e, portanto, digamos que você é prisioneiro de suas próprias lembranças e de sua própria experiência. Você não é livre.

P. Pode ser que em algum momento, se chegarmos a conhecer esses mecanismos e também essas propriedades emergentes em maior profundidade, haja determinadas políticas que agora são marcadas pela ideologia, por uma percepção subjetiva de como funciona o mundo, nas quais a neurociência possa dizer “esta é a postura correta” se quisermos reduzir a criminalidade ou melhorar a educação, por exemplo?

R. Obviamente, mas eu diria de outra maneira. O conhecimento do cérebro não vai nos tornar escravos. Pelo contrário. Vai nos tornar mais livres, porque podemos prevenir comportamentos, melhorar ensinamentos para tornar as pessoas mais livres, mais donas de suas próprias decisões. Por exemplo, um viciado não tem liberdade. Se você for capaz de determinar quais são os mecanismos da dependência, poderá apagá-los, e isso é algo que está começando a ser feito. Nos últimos 15 ou 20 anos de estudo das dependências, avançamos mais do que no resto da história. Agora sabemos bastante bem sobre como são gerados esses vícios e, portanto, qual é o mecanismo da compulsão. E podemos atacá-lo com fármacos, com terapias ou de outras maneiras. Provavelmente, chegará um dia em que uma pessoa viciada entrará num hospital e, através de determinados protocolos de estimulação, o vício será apagado e ela poderá ir para casa no dia seguinte. Embora isso pareça ficção científica, está logo ali na esquina.

Fonte ElPaís

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar