A musicoterapia ou terapia com música reforçam os laços de afeto entre a mulher grávida e o seu bebê. Durante a gravidez muitas possibilidades, preocupações e alegrias envolvem a mãe e a família do bebê. É também nessa época que os laços de afeto e de amor começam a ser construídos.

Foi com este raciocínio que alguns especialistas decidiram estudar a dinâmica da terapia musical ou musicoterapia para a grávida e família e se criou assim o método Bebê do futuro, onde ficou estabelecido música durante toda gravidez.

Mas quem pensa que este processo envolve apenas óperas ou CDs de música calmas para que o feto escute, está totalmente equivocado. Os especialistas explicam que a voz é um dos primeiros sons que um bebê ouve e, portanto, é usada para fortalecer os laços familiares. O aparelho auditivo do feto está quase totalmente formado com 21 semanas de gravidez e desde já começa a experimentar algumas sensações sonoras.

Entre os sons que chegam ao bebê, que está submerso no líquido amniótico, existem alguns ruídos dos órgãos da mulher grávida, a batida do coração, os passos da sua mãe e até mesmo as articulações do esqueleto da sua mãe. Mas o som que se destaca para o bebê é a voz humana. O feto não reconhece a voz, mas o timbre, a entonação e a frequência com que ela ocorre.

Neste caso, não ouve as palavras, mas a sintonia do que é dito ou cantado. Por isso, nas sessões de terapia de música realizadas na casa da família grávida, se sugere que a mulher grávida e a família também falem com o bebê.

A mãe pode falar com ele, falar sobre planos futuros. Os avós podem contar histórias de família e o pai pode cantar para o bebê. Claro, não há uma ordem estabelecida de quem faz o quê, mas é muito importante para fortalecer o vínculo com a família inteira, e não apenas a mãe.

Os especialistas são enfáticos em dizer: O feto ouve toda a conversa, ouve tudo que acontece no exterior da barriga, portanto cante enquanto aguarda a chegada do bebê. O repertório, neste caso, fica a critério da família e seu gosto musical, mas, mesmo que seja um “la, la, la” ou uma melodia cantada com a boca fechada vai chegar aos ouvidos do bebê. E diga o quanto o ama, o quanto ele está sendo esperado.

Durante a amamentação, por exemplo, a mãe pode cantar canções que foram cantadas enquanto ele estava ainda no útero. Ele responderá ao estimulo com o ritmo de sucção e de tempo. Você apenas tem que observar o seu bebê.

DEIXE UMA RESPOSTA