Férias escolares, hora das crianças se divertirem. E dos pais ficarem de olho nos pequenos – sem paranoias ou transmitir medo aos filhos, vale dizer. Veja a seguir as recomendações para garantir que a estação seja pura brincadeira.

1. Analise o mar

Verifique a qualidade da água – algumas praias disponibilizam placas com essa informação. Também cheque se há buracos, ondas fortes ou correnteza. Um salva-vidas pode tirar essas dúvidas.

2. Use coletes e não boias

Crianças de praticamente todas as idades devem usar colete, mesmo que saibam nadar, no mar ou na piscina. As boias de braço, tão utilizadas, podem furar e só fazem flutuar o braço, então os pequenos ainda correm o risco de afogar a cabeça na água com elas.

3. Cuidado com as queimaduras solares

O sol em excesso lesiona a pele. Use e abuse do protetor solar e de roupas com proteção térmica. E não exponha a criança por muitas horas seguidas. Se as queimaduras mesmo assim aparecerem, lave com água e sabão, não mexa na bolha nem cubra o local com curativo.

4. Fuja dos raios

Não é brincadeira: a praia, assim como campos e outros locais abertos, é um ambiente que atrai raios. Ao ouvir a primeira trovoada ou ver a tempestade armando, busque abrigo em um local fechado. A Defesa Civil de São Paulo aconselha, ainda, a sair de piscinas e lagos, que também propiciam as descargas.

5. Escolha o lugar onde vai ficar pela piscina

O ideal é que ela possua grades de proteção que impeçam o acesso não supervisionado. Observe também se o ralo da piscina está bem tampado, para que não haja risco do cabelo da criança ser sugado para lá, acidente potencialmente fatal.

6. Supervisione de verdade

Estar do lado não é a mesma coisa do que estar de olho no filho, principalmente se ele estiver na água ou em ambientes com alta circulação de pessoas. Ou seja: nada de celular e outras distrações.

DEIXE UMA RESPOSTA